Eu quero saber tudo

Fujiwara no Teika

Pin
Send
Share
Send


Teika e Go-Toba teriam um relacionamento próximo e produtivo. Teika seria favorecido de tal maneira que fosse indicado por Go-Toba como um dos seis compiladores e de fato compilador principal. Em virtude de sua dedicação e força de personalidade, além de sua reputação já estabelecida de poeta, Teika ajudou na compilação da oitava antologia imperial de waka poesia, intitulado Shin-kokin-wakash (c. 1205, "Nova coleção dos tempos antigos e modernos"). Teika teve a honra de ajudar a compilar a antologia e ter 46 3 de seus poemas, incluindo três do Shoji hyakushu, incluído. Ele foi nomeado em 1232 pelo imperador aposentado Go-Horikawa para compilar por si mesmo a nona Antologia Imperial, a Shin chokusenshu (c. 1235; "Nova coleção imperial"). Teika foi a primeira pessoa a ser compiladora de duas antologias imperiais.

Uma pintura de Teika, possivelmente por seu filho, Tameie

Esse patrocínio e colaboração favoráveis ​​acabaram azedando, devido às diferenças em como se deve usar "associação e progressão" (como Brower o descreve) em sequências poéticas. Nas seqüências de 100 poemas e afins, os poemas geralmente estavam em um dos vários grupos. As quatro estações eram comuns, assim como o amor. Os poemas geralmente formavam uma sequência integrada na qual lidavam com o mesmo assunto, passando de estágio para estágio. Por exemplo, uma sequência sobre o Amor pode prosseguir da solidão, para se apaixonar, para um relacionamento maduro e depois para a tristeza quando termina ou que se refere a elementos de renga. Go-Toba usou essas técnicas de maneira consistente e frequente, enquanto o uso de Teika era mais irregular. Além disso, aparentemente houve sérios conflitos de personalidade, que levaram Go-Toba a dizer uma vez que:

"O modo como Teika se comportou, como se ele soubesse tudo sobre poesia, foi realmente extraordinário. Especialmente quando ele defendia sua própria opinião, ele agia como o homem que insistia que um veado era um cavalo. Ele era totalmente alheio aos outros, e excederia todas as razões, recusando-se a ouvir qualquer coisa que outras pessoas tivessem a dizer ". 4

Nos seus últimos anos, Go-Toba discordou não apenas da personalidade de Teika, mas também de sua poesia, reclamando do estilo mais liberal que Teika usou "não prestou nenhuma atenção ao assunto. Por esse motivo, nos últimos tempos, até mesmo os iniciantes passa a ser assim. É escandaloso. Somente quando alguém se concentra muito em um tópico composto e compõe um poema que se concentra no tópico é o resultado de qualquer interesse. Esse estilo moderno é puro descuido ". 4

Possivelmente outro fator nesse distanciamento foi a política. Teika teve a sorte de ser selecionada em 1209 como professora de poesia para o novo e jovem shogun Minamoto no Sanetomo. O xogunato era uma autoridade rival e superior à dos imperadores e da corte imperial. Provavelmente foi para o infeliz Sanetomo que Teika dirigiu o ensaio prefatório à sua coleção didática, Kindai shūka ("Poemas Superiores de Nosso Tempo") e seu tratado sobre poesia Maigetsusho ("Notas mensais"). Go-Toba se tornaria um inimigo do então acamado Teika. Felizmente para Teika, Go-Toba seria exilado pelo xogunato Kamakura em 1221 pelo resto da vida para as Ilhas Oki após a Guerra de Jokyu. As fortunas políticas de Teika melhoraram nesse período, pois foi após o exílio de Go-Toba que Teika foi nomeado compilador da nona antologia imperial, a Shin chokusenshu ("Nova coleção imperial"; concluída em 1234), e que Teika foi promovida aos 70 anos de idade para a patente de Gon Chūnagon (“Conselheiro Interino Interino”; esse foi o segundo cargo mais alto do Conselho Supremo de Estado).

Ele morreu em 1241, em Kyoto, e foi enterrado em um templo budista chamado Shokokuji.

Túmulo de Teika.

Descendentes rivais

Um de seus dois filhos, Fujiwara no Tameie (1198-1275), é lembrado como um herdeiro relutante, em jovens inclinados ao futebol de quadra (Kemari) ao invés de poesia, continuaria com o legado poético de Teika. Os descendentes de Tameie se dividiam em três ramos: o ancião conservador Nijo ramo (fundado pelo filho mais velho de Tameie, Tameuji no Teika (1222-1286); o ramo médio do Kyōgoku fundado por Fujiwara no Tamenori (1226-1279), que eventualmente se fundiu com o Reizei; e os mais jovens, mais liberais Reizei ramo, fundado pelo filho mais novo de Tameie, Fujiwara no Tamesuke (n. 1263), pela freira Abutsu (falecida em 1283). Poeta e grande diarista, ela é lembrada especialmente por seu diário Isayoi Nikki (“Diário da Lua Minguante”) narrando suas batalhas legais para fazer com que o shogunato de Kamakura impedisse Tameuji de deserdar Tamesuke das propriedades perto da capital que Tameie havia deixado para Tamesuke. 5

É uma prova da importância de Teika de que a história poética dos próximos séculos é, em grande parte, uma história brutal das batalhas entre os ramos rivais. De fato, essa rivalidade é a principal responsável pelo grande número de falsificações atribuídas à Teika. Quando o Reizei perderam um processo judicial, eles foram condenados a entregar os valiosos manuscritos e documentos de Teika e Tameie para o Nijō. o Reizei externamente, mas juntamente com alguns documentos genuínos que o Nijō já tinham aprendido, incluíam principalmente falsificações de que o Nijō inconscientemente aceito. Em retaliação, o Reizei fabricou uma série de falsificações próprias, para melhor sustentar suas reivindicações. 6

Após um período de Reizei ascensão sob Rezei no Tamehide (bisneto de Teika) (c. 1302-1372), eles sofreram um declínio e um consequente aumento das fortunas do Nijō, quando o filho de Tamehide, Iametuni, se tornou um monge budista. o Nijō logo sofreu reveses sob o wastrel Nijō no Tameshige (1325-1385), cujo filho promissor, Nijō no Tametō (1341-381), foi morto por um bandido enquanto era relativamente jovem.

Em mais um desastre para o Nijō, O filho de Tameto, Nijō no Tamemigi, foi morto por um bandido por volta de 1399, efetivamente destruindo o Nijō como uma força. Sob o neto de Tamehide, Tanemasa (1361-1417), o Reizei alcançou vitória temporária no tempo de Shōtetsu (正 徹, 1381-1459). 7

Realizações poéticas

Teika selecionou as obras para o Ogura Hyakunin Isshu, uma antologia de cem poemas por cem poetas. Dele Ogura Hyakunin Isshū mais tarde foi pensado um livro de waka teoria em que todos os tipos de ideal waka e todas as técnicas foram definidas. Disputas sobre estilo específico e se é conservador ou liberal que dividiu seus descendentes em várias escolas / clãs rivais como o Reizei, Kyogokue Nijo.

Ele fez muitos manuscritos de clássicos japoneses, incluindo marcos da literatura japonesa como O Conto de Genji, Ise monogatari (Os contos de Ise) e a Kokinshu antologia 8. Nos seus dias, as pronúncias japonesas antigas eram perdidas ou difíceis, tornando a ortografia de kana confuso e incerto. Teika pesquisou documentos antigos e recuperou o sistema anterior de decisão entre kana, e fez uma ortografia sistemática que foi usada até o período moderno. Ele aplicou sua kana sistema para seus manuscritos. Seus manuscritos eram conhecidos por sua precisão e boa qualidade e chamados Teika bon ("Texto Teika"). Usando seu método, ele documentou a pronúncia precisa de waka gostar Kokin-wakashū. Seus manuscritos também são apreciados por seu estilo distinto e ousado de caligrafia.

Um manuscrito na mão de Teika de "Poemas Superiores do Nosso Tempo", mostrando seu estilo caligráfico.

Teika também é lembrado, como seu pai, como algo inovador. o Enciclopédia Britânica diz:

Teika empregou a linguagem tradicional de maneiras surpreendentes, mostrando que o ideal prescritivo da "velha dicção, novo tratamento" kotoba furuku, kokoro atarashi herdado de Shunzei pode acomodar inovação e experimentação, além de garantir a preservação da linguagem e dos estilos do passado clássico.Sogi e seus amigos honram o túmulo de Teika com uma festa de poesia.

A "velha dicção", mencionada acima, são frases e palavras das "Três coleções": a Kokinshu, a Gosenshu, e as Shuishu, mas não muito mais antigo que o da dicção do Manyoshu que era considerado velho demais9. Teika escreveu em seu Maigetsusho que os melhores poemas eram espontâneos e originais, mas, no entanto, tradicionais.

Mas essa noção é bastante errônea. Pois, se fôssemos chamar versos como esse superior, qualquer poema que pudéssemos escrever poderia ser bom. Não, primeiro os poderes da invenção devem ser liberados recitando infinitas possibilidades repetidas vezes. Então, de maneira repentina e espontânea, dentre todas as linhas que se compõe, pode surgir um poema cujo tratamento do tópico seja diferente do comum, um verso que é de alguma forma superior ao resto. É cheio de sentimento poético, elevado em cadência, hábil, com ressonâncias acima e além das próprias palavras. É digno de efeito, seu fraseado original, mas suave e gentil. É interessante, impregnado de uma atmosfera sutil, mas clara. É ricamente evocativo, sua emoção não é tensa e nervosa, mas é sensível à adequação das imagens. Tal poema não deve ser composto por esforço consciente, mas se um homem persistir apenas em práticas incessantes, ele poderá produzi-lo espontaneamente. 10

A seguir, é apresentado um exemplo de como o Teika usou imagens antigas e clássicas, como Takasago e Onoe, bem como pinheiros e cerejeiras, de maneiras novas:

idioma japonêsRōmajilíngua Inglesa
高砂の 
松とみやこに
ことづてよ
をのへのさくら
いまさかり也
Takasago no
Matsu Faz miyako ni
Kotozute yo
Onoe no sakura
Ima sakari nari.
Diga na capital:
Que como os pinheiros firmes
Nas areias de Takasago,
Em Onoe, as cerejas nas colinas
contudo espere na plenitude de sua floração. 5

Seus poemas foram descritos como notáveis ​​por sua elegância e exemplos dos ideais de Teika, em seus primeiros e últimos anos. Respectivamente; Teika modificou consideravelmente suas crenças pessoais durante os 40 anos, após a morte de Shunzei, e simplificou seu estilo de composição dos estilos de yoen, um dos dez estilos ortodoxos que Teika definiu e defendeu em suas críticas poéticas. Alguns dos outros são os onihishigitei ou o estilo 'força de matar demônios', o estilo de sabi ou 'solidão', que está intimamente relacionada a Mono no Awaree o estilo de yugen, ou 'mistério e profundidade'. o yoen estilo preocupava-se com 'beleza etérea' e ushin ou "sentimento profundo" ou "convicção de sentir".

Essa mudança de estilo de yoen para ushin pretendia atingir um certo tipo de Makotoou integridade11. Teika às vezes se referia ao seu objetivo como ushin ("sentimento profundo"), que também era confusamente o nome de um dos dez estilos. o yoen O estilo era um dos mais populares em sua época, devido em grande parte ao uso de Teika. Yoen havia sido descrito por Fujiwara no Mototoshi pela primeira vez na década de 1150, mas fora apenas marginalmente bem-sucedido. Anos mais tarde, os simbolistas admirariam e emulariam até certo ponto seu uso da linguagem para evocar atmosfera em seus breves poemas no yoen estilo. Um excelente exemplo e um escolhido posteriormente para uma antologia imperial é o primeiro poema abaixo:

idioma japonêsRōmajilíngua Inglesa
駒とめて
袖うちはらふ
かげもなし
佐野のわたりの
雪の夕暮
Koma tomete
Sode uchiharau
Kage mo nashi
Sano no watari no
Yuki no yūgere.
Não há abrigo
onde eu posso descansar meu cavalo cansado,
e escovo minhas mangas carregadas:
o Sano Ford e seus campos
espalhe-se com o crepúsculo na neve. 6

こぬ人を
まつほの浦の
夕なぎに
焼くやもしほの
身もこがれつつ
Konu hito o
Matsuho não ura não
Yunagi ni
Yaku ya moshio no
Mi mo kogare tsutsu.
Como a erva salgada do mar,
Queimando à noite calma.
Na costa de Matsuo,
Todo o meu ser está em chamas,
Aguardando ela que não vem.

しかばかり
契りし中も
かはりける
此世に人を
たのみけるかな
Shika bakari
Chigirishi naka mo
Kaharikeru
Kono yo ni o
Tanomikeru kana.
Tão fortes eram
Nossas promessas, ainda entre nós
Tudo mudou;
Neste mundo, nela
Coloquei minha confiança ...

Bibliografia parcial

  • Shoji hyakushu (1200; "Sequência de cem poemas da era Shoji")
  • Eiga taigai (c. 1216, 1222 ?; "Fundamentos da composição poética")
  • Hyakunin isshu (c. 1235 "Poemas únicos por cem poetas"; curiosamente, essa coleção se tornaria a base do jogo moderno do Ano Novo Japonês karuta.)
  • Hyakunin Shūka (1229-c. 1236; uma antologia de 101 poemas, organizada a pedido de Utsunomiya Yoritsuna, para ser copiada em 101 tiras de papel e colada nas paredes de sua casa; tem 97 poemas em comum com Hyakunin isshu, sugerindo que talvez seja uma versão mal identificada e variante do Isshu.)
  • Kindai shūka (c. 1209; "Poemas Superiores de Nosso Tempo"; uma coleção de poemas que Teika considerava excelentes modelos, com um prefácio que tratava de sua filosofia crítica, enviada a Sanetomo para instruí-lo sobre como seus poemas deveriam emular os grandes poetas japoneses antigos - ensino por exemplo.)
  • Maigetsusho (c. 1219; "Notas mensais"; uma epístola de correções de cem poemas, enviada a um aluno de Teika. Além das correções, apresentava um prefácio que é uma fonte importante de informações sobre a visão de Teika sobre a estética da poesia; Shotetsu afirma que foi enviado a Minamoto no Sanetomo; Ton'a sustenta que foi enviado ao "Grande Ministro Interior de Kinugasa", ou Fujiwara no Ieyoshi.) ^
  • Matsura Monogatari ("O Conto de Matsura"; um romance experimental que se acredita ter sido escrito por Teika, embora o manuscrito de Teika afirme que ele estava apenas copiando.)
  • Meigetsuki ("O Registro da Lua Clara"; às vezes chamado de "Diário da Lua Clara" 12; como sugere a segunda tradução, esse era um diário que Teika mantinha e é um recurso valioso para suas atividades no tribunal, apesar de suas falhas - aproximadamente 2 / 3s do diário original está ausente nas versões existentes.)
  • Nishidaishū (Antologia de 1811 poemas das primeiras 8 antologias imperiais.)
  • Shuka no daitai ("Um cânone básico de poemas superiores")
  • Teika Jitte (1207-1213; uma antologia de 286 poemas, derivada principalmente da Shinkokinshu; há muito que acreditava numa falsificação, mas alguns estudiosos modernos afirmam que é uma obra genuína.

Referências

  • Hyakunin-isshu (canções únicas de cem poetas) e Nori no hatsu-ne (a nota dominante da lei), editado por Sadaie Fujiwara, traduzido para o inglês por Clay MacCauley. Publicado em Yokohama, Shanghai por Kelly e Walsh, Ltd. 1917. OCLC 10905811
  • Sequência de Cem Poemas de Fujiwara Teika da Era Shoji, 1200, traduzido por Robert H. Brower. Publicado pela Universidade Sophia em 1978; ISBN 35042008785389 (?)
  1. ↑ página 14.
  2. ↑ página 15.
  3. ↑ página 97.
  4. ↑ página 108.
  5. ↑ página 47.
  6. ↑ página 81.
  • ^ "Na abadia de St. Gall, na Suíça, onde a estrela mal podia ser vista no horizonte alpino do sul, os cronistas a descreveram como o evento mais significativo do ano: 'uma estrela de magnitude incomum, brilhando intensamente ... ao extremo sul, além de todas as constelações. E o poeta japonês Fujiwara Teika, dois séculos depois, celebrou a fama da 'grande estrela convidada' em seu 'Diário da Lua Clara'. "From" Stardust Memories ", de Frank Winkler, pág. A25 de 5 de maio de 2005 New York Times
  • ^ "As diferenças entre as primeiras não são totalmente desprezíveis, mas é aconselhável que os leitores interessados ​​em Kokinshu, como era conhecido por quase todos que leram ou o citaram após sua recanonização no final do século 12, iniciem com uma das 18 versões mais ou menos. acredita-se ter sido transcrito e editado por Fujiwara Teika de 1209 a 1237, quatro anos antes de sua morte ". Do artigo "O que é Kokin Wakashu?", Fornecido pela Iniciativa de Texto Japonês da Universidade da Virgínia
  • ^ "A figura mais influente da história da poesia clássica japonesa, Fujiwara Teika (ou Sadaie) 1162-1241, foi o árbitro supremo da poesia em seus dias e, durante séculos após sua morte, foi mantida em veneração religiosa pelos poetas waka e renga. iguais ". Robert H. Brower. Monumenta Nipponica 40: 4 (Winter, 1985): 399-425. 13) Charles Murray, em sua Realização Humana, classifica Teika como a 17ª figura mais influente em toda a literatura japonesa, com base em sua análise de pesquisas acadêmicas sobre literatura japonesa. "Fujiwara no Teika ... é um dos quatro maiores poetas japoneses. O filho de Shunzei, Teika viveu uma idade avançada constantemente atormentada por doenças recorrentes e reversões e avanços nas fortunas de sua família. Da mesma forma, sua poesia e escritos críticos também foram submetidos a uma série de mudanças no curso de sua vida, deixando para trás o legado poético mais substancial e intenso de um único poeta da história japonesa ".14
  • ^ Extrato de "Fujigara Teika's Maigetsusho", de Robert H. Brower, Monumenta Nipponica, Vol. 40, No. 4. (Winter, 1985), pp. 399-425.
    • ^ "A reputação única de Teika repousou em parte em sua realização como a figura principal entre os muitos bons poetas da Shinkokin Jidai, o período de cinquenta anos no final do século XII e início do século XIII, em que o avivamento e a inovação na poesia nativa foram exemplificados em Shinkokinshuca. 1204, oitavo, e em muitos aspectos o maior, das antologias imperiosamente patrocinadas do verso clássico. Como um dos seis compiladores da antologia, e com quarenta e seis de seus poemas incluídos, Teika ficou na vanguarda dos poetas mais jovens e inovadores de sua época e de seus vários experimentos com dicção, retórica e linguagem figurativa. , assim como com novos estilos, modos e efeitos estéticos, foram amplamente imitados por seus contemporâneos. Após sua morte, seus descendentes brigadores foram reconhecidos como as autoridades supremas em todos os assuntos poéticos, e através deles a influência de Teika permeou seiscentos anos da história poética japonesa ".
  • ^ Os poemas superiores de Fujiwara Teika do nosso tempotrans. Robert H. Brower, Earl Miner. 1967. Stanford, CA: Stanford University Press. ISBN 0804701717
  • 15 Uma Introdução à Poesia da Corte Japonesa, por Earl Miner. 1968, Stanford University Press, LC 68-17138; Miner relaciona o incidente com a lâmpada na página 113 na comparação da natureza volátil de Teika com o comportamento pacífico e tranquilo de seu pai.
    • 16 p. 124
  • ^ Sonhos não esquecidos: poemas do monge zen Shōtetsu1997. Steven D. Carter. Columbia University Press. ISBN 0231105762
  • Poesia da corte japonesa, Earl Miner, Robert H. Brower. 1961, Stanford University Press, LCCN 61-10925
    • ^ p. 41: "Até poetas sofisticados, inquestionavelmente realizados, como Ki no Tsurayuki e Fujiwara Teika voltaram tarde na vida para modos poéticos mais simples e mais declarativos, a fim de alcançar uma integridade simples. (makoto) isso lhes parecia carecer de sua poesia anterior ".
    • ^ p. 263
    • ^ Miner e Brower traduzem na pág. 248 uma porção do Maigetsusho: "Agora, então, como já lhe escrevi inúmeras vezes, você deve ler atentamente as várias antologias imperiais do Man'yōshū até o presente e alcançar uma compreensão das maneiras pelas quais os vários estilos mudaram com o passar do tempo ... Man'yōshū, representa uma era muito antiga, quando o coração dos homens não era sofisticado, de modo que, mesmo se tentarmos imitá-lo, não podemos ter sucesso nesta geração atual. É especialmente importante para um novato que ele não se deixe apaixonar pelo estilo arcaico ".
    • ^ Miner e Brower dão dois extratos nas páginas 351, referenciando suas alegações sobre as origens das numerosas falsificações medievais atribuídas a Teika. O primeiro é do Kitabatake Chikafusa Kokinshūjo Chū ("Comentário sobre os prefácios aos Kokinshū") reimpresso em "(NKGT, IV, xlix) "(onde" NKGT "se refere ao Nihon Kagaku Taikei):
"Quando Lord Tameie morreu, sua esposa, Lady Abutsu, a Freira, levou os documentos poéticos com ela para Kamakura. Mais tarde, o herdeiro de Tameie, Lord Tameuji, vestiu o traje e, consequentemente, durante o tempo do ex-imperador Kameyama, um comando foi emitido da corte do ex-imperador para as autoridades de Kamakura, ordenando a entrega dos documentos, entregando todos os escritos que haviam sido catalogados há muito tempo e eram bem conhecidos por várias pessoas, mas aparentemente porque nem mesmo o Senhor Tameuji tinha uma idéia clara do conteúdo das caixas de Cormorão e Heron, eles mantiveram os escritos secretos, encheram as caixas com falsificações e as entregaram em seu lugar. "Um segundo relato vem de um padre chamado "Genshō" (floresceu em 1300), que era o irmão mais novo de Tameuji e, assim, apoiou o Nijo, No dele Waka Kuden ou Gukansho ("Tradições orais da poesia"; de "NKGT, IV, 46 "):"A Freira Abutsu e o Grande Conselheiro Tameuji discutiram sobre os documentos poéticos ... Abutsu escondeu o catálogo de escritos poéticos escritos na mão de Tameie do ex-Conselheiro Médio, e conteve vários documentos importantes que ela passou a exibir para todos. Ela foi avisada duas vezes em um sonho e depois ela e suas duas irmãs morreram em rápida sucessão ".

Links externos

Todos os links foram recuperados em 15 de maio de 2017.

  • Museu Nacional Meigetsuki Kyoto

Assista o vídeo: A Hundred Verses from Old Japan - Poetry of Fujiwara no Teika - FULL Audio Book (Outubro 2021).

Pin
Send
Share
Send